Vindimas 2021 na Aveleda: um ano com boas perspetivas

10 Aug 2021 / Viticultura

As vindimas 2021 na Aveleda arrancaram a 16 de Agosto e prosseguem a todo o vapor. Com quintas espalhadas por toda a Região dos Vinhos Verdes,  a vindima, este ano, teve início na vinha de Cabração, na sub-região do Lima. Esta semana já se está a vindimar em outras quintas, nomeadamente as vinhas da Quinta da Aveleda na sub-região do Sousa e a vinha de Celorico na sub-região de Basto. Prevê-se que a ronda de vindima de todas as parcelas e quintas termine no início de outubro. 

Pedro Barbosa, o Diretor de Viticultura da Aveleda partilha a sua visão sobre a colheita de 2021 na Região que, ao que parece, “tem tudo para ser boa, temos excelentes perspetivas”.

As bases para uma excelente colheita

As condições meteorológicas de 2021, um ano fresco e húmido, favoreceram a Região e as nossas vinhas, permitindo um bom desenvolvimento da parte vegetativa da vinha.

A pressão de doenças foi mais frequente na região de acordo com vários comunicados da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV), no entanto muitos destes cenários foram evitados nas nossas quintas garantindo qualidade e evitando possíveis danos na produção.

Tal como em outras regiões vínicas do país, o calor fez-se sentir mais tarde e de uma forma menos intensa que em anos anteriores, dando origem a maturações mais constantes e lentas. Pedro Barbosa realça - “o calor mais intenso que se fez sentir em agosto, ajudou a uma maturação ideal e com uvas em perfeito estado sanitário”.

Pedro Barbosa destaca que este foi um ano altamente positivo, especialmente para a casta Alvarinho, “cujo ano correu de feição”.

O futuro não se adivinha…prevê-se

As condições meteorológicas, o expertise e dedicação constante da equipa de viticultura da Aveleda são a base para a previsão favorável deste ano vitícola. O equilíbrio da vinha, influenciado pelas temperaturas baixas e clima húmido, permitiu o desenvolvimento de boas bases aromáticas. O calor que se fez sentir mais tarde em agosto, ajudou as uvas a atingirem uma maturação ideal e a assegurar o seu perfeito estado sanitário. Apesar disso, Pedro Barbosa considera que  “ainda é um pouco cedo para nos pronunciarmos quanto ao desfecho da vindima. Contudo, perspetivamos um bom ano. Tem tudo para ser positivo.”

Todos os anos são um desafio, a incerteza de trabalhar com a Mãe Natureza é uma constante. No entanto, é também o encanto daquilo que fazemos: o respeito pelos ciclos naturais, a observação de quem sabe ver, a experiência e a dedicação permitem-nos conseguir trabalhar com aquilo que a Natureza nos dá e transformar os seus frutos nos néctares esperados pelos nossos consumidores – vinhos de qualidade e consistência que demonstram a sua origem, a Região dos Vinhos Verdes. 

Aveleda. Pequenos detalhes, grandes vinhos. 

Publicado por Aveleda